Pano de microfibra Galo de Barcelos

Os panos de microfibra são ideais para a limpeza de óculos, ecrãs, tablets e superfícies espelhadas.

Prod.: Pano de microfibra Galo de Barcelos

4,00 €

Encontre uma loja
Fields marked with an * are required

Diga-nos onde está…

REF: 40414 Categoria: Colecções: .

O Galo de Barcelos é um símbolo nacional de Portugal, que representa sorte, felicidade, honestidade e honra.

Uma lenda que acorda Portugal com o eco da tradição, onde a alegria das cores e o pitoresco da forma pintam valores, saberes e sabores do nosso país, que agora inspirou a Terra Lusa para a criação deste relógio.

A lenda

“Os Habitantes do Burgo andavam alarmados com um crime e, mais ainda, por não ter descoberto o autor. Certo dia, apareceu um Galego que se tornou de imediato suspeito do dito crime, visto que ainda não tinha sido encontrado o criminoso. As autoridades condais resolveram prendê-lo e, apesar dos seus juramentos de inocência, ninguém o acreditou. Ninguém julgava crível que o galego se dirigisse para Santiago de Compostela em cumprimento de uma promessa como era tradição na época, e fosse devoto fiel de S. Paulo e da Virgem Santíssima. Por isso foi condenado à forca.

Antes de ser enforcado, pediu que o levassem à presença do juiz que o havia condenado a tal destino. A autorização foi-lhe concedida, e levaram-no à presença do dito magistrado, que nesse momento se deleitava e banqueteava com os amigos. O galego reafirmou a sua inocência, e perante a incredulidade dos presentes, apontou para um galo assado que se encontrava no centro de uma grande mesa, exclamando «É tão certo eu estar inocente, como certo é esse galo cantar quando me enforcarem», perante gargalhadas e risos, não se fizeram esperar, mas pelo sim e pelo não, ninguém tocou no galo.

O que parecia impossível aconteceu. Quando o peregrino estava a ser enforcado, o galo ergueu-se na mesa e cantou! Após tal acontecimento mais ninguém duvidava da inocência do Peregrino. O Juiz correu à forca e com espanto vê o pobre homem de corda ao pescoço, mas o nó lasso, impedindo o estrangulamento. O homem foi imediatamente solto e mandado em paz. Volvidos alguns anos, voltou a Barcelos e fez erguer um Monumento em Louvor à Virgem e a Santiago.” (in www.barcelos.net)